Um porão descoberto nas ruínas do Castelo de Hitoyoshi, no Japão, pode ser uma instalação de banho judaica!

Os especialistas ainda estão indecisos sobre por que havia uma área de banho no porão que foi descoberta no local das ruínas do Castelo de Hitoyoshi durante escavações arqueológicas em 1997.

A finalidade do porão que abriga uma área de banho retangular não é clara, embora se suponha que não tenha servido como armazém. Esses porões de castelo são muito raros e únicos.

Durante as escavações do sítio histórico nacional, o porão, que se acredita ter sido construído no período Edo (1603-1867), foi encontrado no local de uma antiga residência do samurai de alto escalão Sagara Seibei Yorimori (1568-1655) .

 

A sala dentro do subsolo, medindo 5,2 metros de comprimento e 6 metros de largura, é cercada por paredes de alvenaria. A instalação balnear, com 2,3 metros de profundidade, possui escadas no seu interior.

Com base em seu tamanho e estrutura, alguns pesquisadores levantaram a hipótese de que era um mikveh, um estabelecimento de banho judaico para a limpeza do corpo. Mas depois de debater, os especialistas não conseguiram chegar a um consenso porque não havia provas suficientes.

Mihoko Oka, professora associada de história missionária cristã japonesa na Universidade de Tóquio, acredita que houve uma conexão entre Seibee e a fé Myoken, que divinizou a Estrela do Norte e a Ursa Maior. Ela citou várias evidências circunstanciais, incluindo que os sacerdotes purificaram seus corpos na fé Myoken.

O porão foi descoberto durante escavações arqueológicas em 1997. Foto: Jref Ela apontou que desde o período dos Reinos Combatentes (final do século XV ao final do século XVI) até o início do Período Edo, missionários cristãos e comerciantes de Portugal e Espanha viveram em Kyushu e incluíram muitos convertidos, ou judeus forçados a se converter ao cristianismo na Europa (1603-1867).

Oka um simpósio em 24 de setembro, citou a existência de Suzuki Juan, um estudioso de adivinhação, que foi convidado por Seibee de Kyoto. Ela mencionou a possibilidade de Juan ter incorporado rituais judaicos à fé Myoken depois de aprender o judaísmo com conversos e apresentá-lo a Seibee.

Ela acrescentou que um mikveh semelhante ao porão nas ruínas do Castelo de Hitoyoshi foi encontrado recentemente em uma cidade no México que possui uma mina de prata.

Sagara Seibei Yorimori era um chefe de manutenção do clã Sagara que governou as áreas de Hitoyoshi e Kuma e depois que se aposentou, Seibee viveu na cidade de Asagiri, que também continha uma mina de prata.

O professor Oka também disse que o clã Sagara pode ter usado a mina de prata de lá para fazer compras caras em Nagasaki.

A teoria do mikveh judaico em relação à área balnear do castelo foi minimizada por Kenji Matsuo, professor emérito da Universidade de Yamagata especializado em história das religiões japonesas.

Matsuo citou a existência de Eison, um monge que fundou a seita budista conhecida como Risshu durante o período Kamakura (1185–1333) e acredita-se que teve a maior influência em regiões como Kyushu entre o final dos séculos 13 e 16.

“Era definitivamente um lugar para ablução, mas provavelmente era usado por budistas, não por judeus”, disse ele.

Hiroshi Ichikawa, professor emérito de judaísmo na Universidade de Tóquio, acredita que os rituais de mikveh eram realizados para encorajar os casais judeus a terem filhos aqui.

Uma área de banho retangular das ruínas do porão, que tem escadas que levam ao fundo, foi especialmente aberta ao público em 24 de setembro antes de um simpósio depois de ter sido submersa por chuvas torrenciais na província de Kumamoto, dois anos atrás. Foto: Shinichi Murakami “Como a instalação satisfaz as condições do judaísmo, pode-se dizer que era um mikveh no sentido de uma instalação de ablução”, disse ele. “Mas não tenho certeza se foi usado para o mesmo propósito que os judeus originalmente o usavam. Provavelmente não.”

Ao expressar cautela sobre a teoria mikveh, Ichikawa enfatizou que “o significado é que (as ruínas do porão em Hitoyoshi) estão de alguma forma conectadas ao mundo da Era da Exploração do século XV ao XVII”.

Em entrevista ao The Asahi Shimbun, um historiador local questionou a visão de Matsuo de que os budistas podem ter usado o local para ablução.

“Se monges da seita Risshu, que era influente na época, usavam as instalações para banho, deve haver instalações semelhantes encontradas em ruínas em todo o país”, disse o historiador. “Mas por que eles foram encontrados apenas em Hitoyoshi?”

Outra pessoa apontou que a instalação do porão estava escondida como um lugar secreto.

“Se (Seibee) estava tomando banho com monges budistas, não deveria haver necessidade de esconder isso”, disse a pessoa.

O mistério do porão pode levar muito tempo para ser resolvido, mas agora as palavras da professora Miyoko Oka parecem mais próximas da verdade. A descoberta recente de um porão semelhante a um micvê nas ruínas do Castelo de Hitoyoshi, em uma cidade com uma mina de prata no México, pode ser uma prova disso.

Fonte :https://2st.qirdar.com/

Related Posts

Twenty “Giant” Skeletons Have Been Discovered, And Researchers Fear That The Giants May Be Making A Comeback

Αrchaeologists have υпcovered 20 Stoпe-Αge skeletoпs iп aпd aroυпd a rock shelter iп Libya’s Sahara desert, accordiпg to a пew stυdy. The skeletoпs date betweeп 8,000 aпd…

Scientists Spot a Solar System With 3 Super-Earths in a Rare Find

Three Super-Earths and two Super-Mercuries, a type of planet that is extraordinarily rare and distinct, have been found in a star system by astronomers. Super-Mercuries are so…

Mystery Ancient Handprint Discovered in Jerusalem, the City of God

A mysterious carved handprint has been discovered in Jerusalem. But, was it created by a defending Muslim, a terrified Jew, an attacking European knight, or is it…

Universidad de EEUU devuelve a Bolivia momia de niña inca de 500 años

Una momia de una niña inca de 500 años de antigüedad fue devuelta a Bolivia unos 129 años después de que fuera donada al Museo de la…

Excavación descubre tumba única de comandante egipcio del siglo VI a.C.

Mientras realizaba excavaciones cerca de la meseta de Giza, un equipo de arqueólogos checos de la Universidad Carlos de Praga desenterró una tumba que pertenecía a un…

Dos partes de la misma enorme espada vikinga separadas hace 1200 años se reencuentran

Dos pequeños trozos de metal, enterrados por separado pero cerca uno del otro, resultaron ser partes de la misma espada vikinga ornamentada. Separada hace 1.200 años, la…